23 julho 2012

Livro: Cartografia Social e Dinâmicas Territoriais (2010)


Segundo livro organizado por Henri Acselrad sobre Cartografia social, este livro foi publicado em 2010 pelo IPPUR da UFRJ

No site do Laboratório de Estado, Trabalho, Território e Natureza (ETTERN) pode-se ler a apresentação sobre o livro e baixar o PDF do livro (link para download aqui).

O primeiro livro organizado pelo Henri Acselrad sobre cartografia social, em 2008, pode ser baixado no site do ETTERN, leia mais sobre esse livro aqui.

Cartografia Social e Dinâmicas Territoriais: marcos para o debate


Para fazer download do livro completo: clique aqui.

A aprovação da convenção da OIT , em 1989, iniciou uma série de amplas mudanças políticas nas relações entre os indígenas - e , em menor medida, a população negra- e suas terras tradicionais nas terras baixas tropicais da américa Latina. Esta convenção estabelece uma base legal para os direitos culturais, a auto-determinação, e o reconhecimento das terras tradicionais. além de converter-se em uma lei nacional , uma vez ratificada, esta convenção foi incorporada a muitas reformas constitucionais que se generalizam na região desde 1990. Um dos resultados destes desenvolvimentos tem sido o mapeamentos dos direitos a terras pelas comunidades tradicionais, indígenas e quilombolas. Historicamente , os mapas serviram como instrumerntos do império para despossuir os indígenas e os povos negros ruraris de suas terras , mas agora estas populações estão remapeando os espaços: aprenderam que devem mapear ou serão mapeados. Os obícuos projetos de cooperação internacional sobre mapeamentos que hoje encontramos no Brasil e na América Latina em geral, alterarram a forma pela qual as pessoas expressam sua relação com a terra e entre si, assim como redefiniram a maneira pela qual confluem a identidade, o território e as práticas políticas.

Sumário

Apresentação

Mapeamentos, identidades e territórios

Mapeamentos participativos e atores transnacionais: a formação de identidades políticas para além do Estado e dos grupos étnicos

Reforma Agrária e territórios: uma reflexão preliminar sobre o lugar das políticas de reconhecimento na questão agrária

Sistemas de Informação Geográfica e iniciativas participativas de mapeamento: estratégias, ambiguidades e assimetrias.

Direitos territoriais e mapeamento participativo na América Latina

Conflitos territoriais e disputas cartográficas: tramas sociopolíticas no ordenamento territorial do Oeste do Pará

Memória e resistência: a experiência do mapeamento participativo da comunidade quilombola de Linharinho, Espírito Santo.



Para fazer download do livro completo: clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Imprimir a postagem em PDF

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...