13 julho 2015

Projeto SelfieCity - Estilo dos selfies em cinco cidades do mundo



O número 170 da ComCiência - Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, publicada pelo Labjor e pela SBPC, é dedicado a Big Data e traz a reportagem "A arte que trafega em dados" por Janaína Quitério (2015). A autora conversou com Daniel de Souza Neves Hora, que defendeu a tese de doutorado "Teoria da arte hacker: estética, diferença e transgressão tecnológica" na Universidade de Brasília (UNB) e que chama a atenção para o projeto SelfieCity como exemplo ambicioso de investigação que desde 2014 combina métodos artísticos, teóricos e quantitativos para analisar autorretratos publicados na internet.

O projeto SelfieCity (http://selfiecity.net), ou "cidade dos selfies", consiste em uma investigação sobre o estilo de autorretratos (selfies) em cinco cidades ao redor do mundo: Bangkok, Moscou, São Paulo, Nova York, Berlim. A equipe do projeto é coordenada por Lev Manovich e analisou 3.200 fotos (640 fotos de cada cidade), filtradas a partir de um universo de 120 mil fotos georreferenciadas e coletadas aleatoriamente no Instagram.


Processo de coleta de dados

Os dados coletados pelo projeto permitiram fazer a distribuição das fotos segundo sexo e idade do autorretratado (tal qual uma pirâmide etária) e também as medianas de idade segundo o sexo.
Em São Paulo, a mediana de idade dos homens ficou em 25 anos e a das mulheres ficou em 22,3 anos e percebe-se um elevado percentual de mulheres (65,4% do total). Em relação à mediana de idade percebe-se que a de Bangkok é a menor de todas as cidades, tanto para homens quanto para mulheres.

Distribuição das fotos segundo sexo e idade do autorretratado

Mediana das idades, segundo o sexo do autorretradado

Um outro indicador interessante é o índice do sorriso (Smile Score), que vai do triste ao feliz. Enquanto que Bangkok e São Paulo são as cidades dos selfies mais felizes, Moscou é a cidade com as selfies mais tristinhas.

Índice médio de sorriso (Average smile scores)

Esses e outros indicadores foram reunidos na plataforma de análise de dados Selfie Exploratory (http://selfiecity.net/selfiexploratory/) cuja tela pode ser visualizada abaixo.



Captura da tela do Selfie Exploratory

Para a pesquisadora da Universidade da Califórnia Elizabeth Losh, entrevistada por Quitério (2015): "a base de dados formada a partir dessa pesquisa coletada em cinco cidades de quatro diferentes continentes indica que a selfie se tornou um gênero transnacional, mas, só agora, a literatura acadêmica começa a teorizar essa forma específica de autorrepresentação".

Referências

QUITÉRIO, Janaína. A arte que trafega em dados. ComCiência - Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, n. 170. 10/07/2015. Disponível em: http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=115&id=1391

SELFIECITY- Investigating the style of self-portraits (selfies) in five cities across the world. http://selfiecity.net/selfiexploratory/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Imprimir a postagem em PDF

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...